Fechando WINWORD.EXE ao utilizar o PIA

December 21, 2016 Leave a comment

CENÁRIO:

Cenário bem comum em automação de processos é precisar criar/editar arquivos Office de forma automática e sem iteração do usuário final.

Para isso, podemos usar o Open XML SDK 2.5 para Microsoft Office: https://www.microsoft.com/en-us/download/details.aspx?id=30425.

Mas o Open XML SDK é apenas para os arquivos atuais do Office (pós 2007) que usam o OpenXML em sua concepção (.docx, .xlsx, etc).

Em tempos primórdios, tínhamos que usar o Primary Interop Assemblies (PIA) para trabalhar com arquivos Office via código: https://www.microsoft.com/en-us/download/details.aspx?id=3508.

E o trabalho é BEM MAIS árduo do que usar o Open XML SDK.

ANÁLISE:

E um cenário deveras comum, é encontrar uma aplicação que usa o Interop para manipular arquivos Office consumindo memória e nunca mais devolvendo, criando diversos processos, sem fecha-los após uso.

clip_image002

Cada processo WINWORD.EXE, neste exemplo, consumindo 25Mb de memória. E cada utilização, mais processos, até estourar memória do servidor (ou fechar os processos manualmente).

SOLUÇÃO:

A primeira dica é evitar o uso de “2 pontos” no mesmo “comando”.

Exemplo – Ruim

WordDOC.Document doc = app.Documents.Open(@"c:\teste.doc");

 

Exemplo – Bom

WordDOC.Documents d = app.Documents;

WordDOC.Document doc = d.Open(@"c:\teste.doc");

 

Bom, essa dica vai evitar que sejam criados wrappers em objetos COM que segurem o processo em memória.

A outra dica é sinalizar que os objetos já podem ser finalizados. Após o uso, vá finalizando o uso do objetos regressivamente.

 

using WordDOC = Microsoft.Office.Interop.Word;

Application app = new Application();

WordDOC.Documents d = app.Documents;

object nullobject = Type.Missing;

object doNotSaveChanges = WordDOC.WdSaveOptions.wdDoNotSaveChanges;

try

{

WordDOC.Document doc = d.Open(@"c:\teste.doc");

doc.Activate();

doc.SaveAs(finfo.FullName.Replace(".doc", "_tmp.docx"), WordDOC.WdSaveFormat.wdFormatDocumentDefault);

((Microsoft.Office.Interop.Word._Document)doc).Close(ref doNotSaveChanges, ref nullobject, ref nullobject);

Marshal.FinalReleaseComObject(doc);

Marshal.FinalReleaseComObject(d);

((Microsoft.Office.Interop.Word._Application)app).Quit(ref nullobject, ref nullobject, ref nullobject);

Marshal.FinalReleaseComObject(app);

}

catch (Exception ex)

{

HandleException(ex);

}

 

Dessa forma os objetos serão finalizados quando o GC ocorrer.

Abraço!

Enviando e-mails programaticamente usando o Office 365 (Exchange Online)

CENÁRIO:

Cenário bem comum em automação de processos é ter algum serviço que fique monitorando algum processo e depois envie e-mails de notificação aos interessados.

ANÁLISE:

Com o EWS Managed API 2.0 isso ficou muito simples. Principalmente utilizando o Office 365 ao invés de um Exchange Server on-premises.

Para facilitar BASTANTE as coisas, utilizaremos o Microsoft.Exchange.WebServices desenvolvido pela própria Microsoft.

https://msdn.microsoft.com/en-us/library/dd877012(v=exchg.150).aspx

clip_image002

Para instalar esse NugetPackage no projeto, é requisito que ele seja .NET 4.0.

HOW TO:

Instale o pacote no projeto. E o resto é bem simples.

static void Main(string[] args)

{

ExchangeService service = new ExchangeService();

service.Credentials = new WebCredentials(meuemail@dominioOffice365.com.br, "SENHA");

service.TraceEnabled = true;

service.TraceFlags = TraceFlags.All;

service.AutodiscoverUrl(meuemail@dominioOffice365.com.br, RedirectionUrlValidationCallback);

EmailMessage email = new EmailMessage(service);

email.ToRecipients.Add(meuemail@dominioOffice365.com.br);

email.Subject = "HelloWorld";

email.Body = new MessageBody("Este é o primeiro e-mail que envio usando o EWS Managed API.");

email.Send();

Console.ReadLine();

}

 

E o método de apoio para validar o esquema do AutoDiscover:

private static bool RedirectionUrlValidationCallback(string redirectionUrl)

{

// The default for the validation callback is to reject the URL.

bool result = false;

Uri redirectionUri = new Uri(redirectionUrl);

// Validate the contents of the redirection URL. In this simple validation

// callback, the redirection URL is considered valid if it is using HTTPS

// to encrypt the authentication credentials.

if (redirectionUri.Scheme == "https")

{

result = true;

}

return result;

}

Atualizado (resultado):

Screen Shot 2016-07-13 at 8.05.47 PM 

Abraço!

Devo aplicar Cumulative Updates (CU) assim que são disponibilizados?

February 16, 2016 2 comments

CENÁRIO:

Essa é uma questão que sempre vem à tona e eu sempre perco o link com informações à respeito. Devo manter meu ambiente sempre o mais atualizado possível?

Para quem não está familiarizado, a Microsoft disponibiliza constantemente updates para seus produtos (que ainda estão no ciclo de suporte – normalmente 10 anos desde seu lançamento).

Nesses updates temos hotfixes, Cumulative Updates (pacote com vários hotfixes) e Service Packs (pacote maior ainda de vários hotfixes). A frequência de lançamento também segue essa hierarquia. Ou seja, são lançados vários hotfixes até que formem um Cumulative Update, e assim por diante.

ANÁLISE:

A Microsoft recomenda o seguinte:

https://msdn.microsoft.com/en-us/library/hh479746(v=sql.120).aspx – Installing Updates for SQL Server 2014 after it has already been installed

On an installed instance of SQL Server 2014, we recommend that you apply the latest security updates and critical updates including General Distribution Releases (GDRs), and Service Packs (SPs). Individual Cumulative updates and security updates should be adopted on a case-by-case, "as-needed" basis. Evaluate the update, if it’s needed, then apply it. If not, assess the risk of applying or not.

CONCLUSÃO:

O link mostra informação sobre o SQL Server, mas o mesmo se aplicar ao SharePoint Server e imagino que aos demais produtos Microsoft.

Cumulative Updates devem ser aplicados se necessário. Sua aplicação não deve seguir uma agenda “urgente” de implantação assim que são lançados.

Obviamente que quanto mais atualizado, melhor. Mas no mundo real a aplicação de patch’s não é tão simples em ambiente produtivo.

Como é um assunto que sempre gera bons diálogos. Qual a sua consideração sobre o assunto?

Eu procuro sempre estar no último Service Pack e aplico CU’s à medida da necessidade.

Abraço!

SQL Generic Error – Busca Nativa CRM

February 4, 2016 Leave a comment

Cenário:

Ao realizar buscas no CRM, algumas telas trazem resultados, outras dão o erro SQL Generic Error (ao baixar o Arquivo de Log).

clip_image002

ERRO:

Generic SQL Error.

Mas ao investigar nos logs de Trace do CRM e EventViewer podemos notar referências ao SQL Generic Error com o erro abaixo:

“SQL Server encountered error 0x80070422 while communicating with full-text filter daemon host (FDHost) process. Make sure that the FDHost process is running. To re-start the FDHost process, run the sp_fulltext_service ‘restart_all_fdhosts’ command or restart the SQL Server instance.”

SOLUÇÃO:

Com isso observamos que o serviço “SQL Full-text Filter Daemon Launcher” estava parado, pois por padrão, o serviço vem configurado para ser “Manual”. Ou seja, se o serviço cair por algum motivo, ele não será iniciado automaticamente.

image

Para resolver o problema bastou iniciar o serviço “SQL Full-text Filter Daemon Launcher” e aguardar alguns minutos.

clip_image004

Se não resolver apenas iniciando o serviço, devemos executar um comando no SQL e talvez mandar reconstruir o catálogo.

EXEC sp_fulltext_service 'restart_all_fdhosts'

DatabaseName > Storage > Full Text Catalog > properties > Rebuild Catalog.

Abraço!

Value cannot be null – Instanciando OrganizationServiceProxy

December 30, 2015 Leave a comment

Cenário:

Meu primeiro post sobre Microsoft CRM! Smiley de boca aberta

Nas últimas semanas venho trabalhando em análise e melhoria de performance de alguns serviços que fazem integração entre uma aplicação legada e o Microsoft CRM 2015, usando IFD.

Os serviços estão deveras lentos. Nesse processo de análise estamos montando aplicações de testes paralelas aos serviços… e nessas aplicações estamos simulando maneiras diferentes de instanciar o serviço de comunicação com o CRM.

Para isso estou utilizando o SDK do CRM como base de apoio aos testes: http://go.microsoft.com/fwlink/?LinkID=512122.

ERRO:

Value cannot be null.

SOLUÇÃO:

Na correria… acabei copiando e colando uma url que deveria ser diferente!

No SDK do CRM, há um tipo de autenticação se usar os “Helpers” que existem no SDK. Nesse exemplo ele pede para instanciar assim:

 

#region Class Level Members

// To get discovery service address and organization unique name,

// Sign in to your CRM org and click Settings, Customization, Developer Resources.

// On Developer Resource page, find the discovery service address under Service Endpoints and organization unique name under Your Organization Information.

private String _discoveryServiceAddress = "https://MyCompany/XRMServices/2011/Discovery.svc";

private String _organizationUniqueName = "OrganizationUniqueName";

// Provide your user name and password.

private String _userName = "username@mydomain.com";

private String _password = "password";

// Provide domain name for the On-Premises org.

private String _domain = "mydomain";

#endregion Class Level Members

 

E aí ao trocar a url, eu copiei e colei uma url errada… coloquei a url “Organization.svc” ao invés da url correta “Discovery.svc”.

Ao colocar a url errada e tentar instanciar o OrganizationServiceProxy, dá o erro mencionado acima nesse método abaixo:

 

/// <summary>

/// Discovers the organizations that the calling user belongs to.

/// </summary>

/// <param name="service">A Discovery service proxy instance.</param>

/// <returns>Array containing detailed information on each organization that

/// the user belongs to.</returns>

public OrganizationDetailCollection DiscoverOrganizations(

IDiscoveryService service)

{

if (service == null) throw new ArgumentNullException("service");

RetrieveOrganizationsRequest orgRequest = new RetrieveOrganizationsRequest();

RetrieveOrganizationsResponse orgResponse =

(RetrieveOrganizationsResponse)service.Execute(orgRequest);

return orgResponse.Details;

}

 

Após colocar a URL correta “Discovery.svc” , tudo funcionou perfeitamente.

Abraço!

The security validation for this page is invalid and might be corrupted. Please use your web browser’s Back button to try your operation again

October 19, 2015 3 comments

Cenário:

Estou simulando um “stress test” no meu ambiente de desenvolvimento para simular o impacto (hardware) de algumas operações do SharePoint 2013.

No meu teste, além de navegar e buscar alguns itens no site, também quero que o “robô” crie itens nas listas do SharePoint através de requests HTTP.

Ao tentar criar itens usando uma chamada HTTP com as APIs do SharePoint temos o erro mencionado a seguir.

ERRO:

The security validation for this page is invalid and might be corrupted. Please use your web browser’s Back button to try your operation again

Ou, PT-BR:

A validação de segurança para esta página não é valida e pode estar corrompida. Use o botão Voltar do navegador Web para tentar realizar a operação novamente.

SOLUÇÃO:

Como não estou usando OAuth para autorizar a requisição, precisamos passar um “digest value” válido no Header da requisição.

Conseguimos pegar esse valor em um campo (__REQUESTDIGEST) escondido da MasterPage padrão do SharePoint:

 

<input type="hidden" name="__REQUESTDIGEST" id="__REQUESTDIGEST" value="0xC756DFF038FC6A0D241D7203952F8545BC495084B8DCD4EB0171E88F15DD633F8590
ADE4C8749EDCDA73A9C48C8C8C8B515929E86CBBA83341187B3791F20F71,19 Oct 2015 18:14:37 -0000
" />

 

Ou fazendo uma chamada POST com o “body” vazio para http://<site url>/_api/contextinfo antes da chamada que irá criar o item. O retorno dessa chamada conseguimos pegar o “digest value”.

No “Header” dessa chamada com “body” vazio, passe o parâmetro “Accept” com valor “application/json;odata=verbose”.

Exemplo da chamada ao contextinfo:

image

Resposta do contextinfo:

image

{"d":{"GetContextWebInformation":{"__metadata":{"type":"SP.ContextWebInformation"},"FormDigestTimeoutSeconds":1800,"FormDigestValue":
"0xC756DFF038FC6A0D241D7203952F8545BC495084B8DCD4EB0171E88F15DD633F8
590ADE4C8749EDCDA73A9C48C8C8C8B515929E86CBBA83341187B3791F20F71,19 Oct 2015 18:14:37 -0000
"
,"LibraryVersion":"15.0.4569.1000","SiteFullUrl":http://vmsp2013,
"SupportedSchemaVersions":{"__metadata":{"type":"Collection(Edm.String)"},"results":["14.0.0.0","15.0.0.0"]},"WebFullUrl":"http://vmsp2013&quot;}}}

O valor em realce é o valor do parâmetro “X-RequestDigest” que precisamos passar no “Header” da requisição que irá criar itens na lista do SharePoint.

Exemplo da requisição que cria itens em uma lista do SharePont 2013:

POST http://vmsp2013/_vti_bin/client.svc/ProcessQuery

POST data:

<Request xmlns="http://schemas.microsoft.com/sharepoint/clientquery/2009&quot; SchemaVersion="15.0.0.0" LibraryVersion="15.0.0.0" ApplicationName="Javascript Library"><Actions>TitleTestefalseIdade22falseContentTypeItemfalseContentTypeId0x01000DC117894911AA4BB7ADE719F7B6C168false</Parameter><Parameter Type="Boolean">false</Parameter><Parameter Type="Null" /></Parameters></Method></ExceptionHandlingScopeSimple></Actions>
<ObjectPaths><StaticProperty Id="0" TypeId="{3747adcd-a3c3-41b9-bfab-4a64dd2f1e0a}" Name="Current" /><Property Id="2" ParentId="0" Name="Web" /><Property Id="4" ParentId="2" Name="Lists" /><Method Id="6" ParentId="4" Name="GetById"><Parameters><Parameter Type="String">84dbf580-a818-4904-a726-25fedc09e490</Parameter></Parameters></Method><Method Id="8" ParentId="6" Name="AddItem"><Parameters><Parameter TypeId="{54cdbee5-0897-44ac-829f-411557fa11be}"><Property Name="FolderUrl" Type="String">/Lists/TesteJMeter</Property><Property Name="LeafName" Type="Null" /><Property Name="UnderlyingObjectType" Type="Number">0</Property></Parameter></Parameters></Method></ObjectPaths>
</Request>

[no cookies]

Request Headers:

Cache-Control: no-cache

X-Requested-With: XMLHttpRequest

Accept: text/html,application/xhtml+xml,application/xml;q=0.9,*/*;q=0.8

User-Agent: Mozilla/5.0 (Windows NT 6.3; rv:38.0) Gecko/20100101 Firefox/38.0

Referer: http://vmsp2013/Lists/TesteJMeter/NewForm.aspx?Source=http%3A%2F%2Fvmsp2013%2FLists%2FTesteJMeter%2FAllItems%2Easpx&RootFolder=

X-RequestDigest: 0xC756DFF038FC6A0D241D7203952F8545BC495084B8DCD4EB0171E88F15DD633F8590ADE4
C8749EDCDA73A9C48C8C8C8B515929E86CBBA83341187B3791F20F71,19 Oct 2015 18:14:37 -0000

Connection: keep-alive

Accept-Encoding: gzip, deflate

Pragma: no-cache

Accept-Language: en-US,en;q=0.5

Content-Length: 2508

Content-Type: text/xml; charset=UTF-8

 

Referência: https://msdn.microsoft.com/en-us/library/jj164022(office.15).aspx.

Abraço!

WebResource ASP.NET – Gerando URL diferente para cada servidor IIS

August 10, 2015 2 comments

Olá! Alegre

Cenário:

Imagine que você está desenvolvendo sua aplicação e ela requer diversos arquivos para funcionar, como: arquivos javascript, css, html, imagens, etc. Mas você não quer a solução final tenha diversos arquivos… Quer colocar toda a solução dentro de um único arquivo.

O WebResource (e o ScriptResource para versões mais atuais o .NET Framework) nos dão essa possibilidade. Assim, podemos compilar todos os arquivos de “apoio” dentro da DLL. Ou seja, o arquivo final será apenas uma DLL.

E os arquivos serão referenciados usando o WebResource. Já viram algumas aplicações que usam o WebResource.axd ou ScriptResource.axd seguido de uma longa QueryString?

Ex: http://<site>/WebResource.axd?d=7NnjFBcUeHcW9L9Vil_Xv8IVDbfvA_jo4F0ysa_kaopudWFLJ_17_kQ3sh-IDTrgjeEVswxCZAo-cYy0GgcvW-9WmDAYSrgwFIVHe3t4QVZpQk0CDLSpRoha_Cfp0zHEGsNVUg2&t=635745693347262797

O “d” é o parâmetro, criptografado, para o arquivo. O “t” é um timestamp usado para saber se o arquivo teve alteração ou não. São gerados automaticamente pelo .NET Framework.

image

image

image

ERRO:

Não é um erro, mas é um comportamento que precisamos contornar. Por padrão, o IIS vai usar a “MachineKey” autogenerated para montar a URL criptografada.

<machineKey validationKey="AutoGenerate,IsolateApps"

decryptionKey="AutoGenerate,IsolateApps"

validation="SHA1" decryption="Auto" />

Logo, em um ambiente com vários IIS em Load Balance, por exemplo, cada servidor irá gerar uma URL diferente para o “mesmo” recurso. Isso pode trazer problemas para ambientes que dependam do cache, pois como a URL muda, sempre irá fazer download.

Outros cenários podem ser afetados, como “robôs” de testes que são configurados com URLs. Quando o robô esperar uma URL, virá outra. Além de ViewState criptografada, session state e outros.

IIS 1:

clip_image002

IIS 2:

clip_image004

SOLUÇÃO:

Podemos “forçar” para que a URL criptografada seja sempre a mesma em todos os servidores IIS.

Para isso devemos configurar um valor para MachineKey no web.config da aplicação.

Na web existem alguns geradores de MachineKey. Tendo em mãos uma configuração de MachineKey (validationKey;decryptionKey), basta inserir no web.config da aplicação dentro da tag <system.web>.

Web.config:

clip_image006

IIS 1:

clip_image008

IIS 2:

clip_image010

NOTA: Atenção para os cenários de Cache, pois para que os arquivos sejam inseridos nas políticas de cache, o “compilation debug=’false’” não pode ser “true”.

https://support.microsoft.com/en-us/kb/2580348 – Debug Mode in ASP.NET Applications

“Scripts and images downloaded from the WebResource.axd and ScriptResource.axd handlers are not cached.”

“It is recommended that debug mode is always disabled in a production environment.”

Abraço!