Archive

Posts Tagged ‘Configuration’

Como forçar o Azure App utilizar o horário do Brasil (ou qualquer outro de sua preferência)

CENÁRIO:

Olá!

Desde que o Azure mudou para o “ARM” tenho usado muito o Azure App Service para rodar minhas aplicações como serviço (PaaS) e não precisar “gerenciar” o Windows/IIS.

Mas, como nem tudo são flores, algumas coisas precisam de ajustes/configurações para que funcione exatamente como se você estive utilizando um servidor hospedado no Brasil.

Um exemplo disso é o horário. Se for implantar sua aplicação e começar a utilizar vai perceber que para funções que utilize data e horário, a configuração utilizada, por padrão, será UTC (ou GMT +0).

ERRO:

Então, ao salvar um registro no banco de dados a coluna “criado” ficará com data 3 horas pra frente, agora que estamos fora do horário de verão, e o horário oficial de Brasília é GMT -3.

SOLUÇÃO:

Há outras alternativas de configurar, mas o que eu acho mais prático é setar o “Application settings” do App para o seu “time_zone”. Ou adicionar ao web.config.

Key: WEBSITE_TIME_ZONE

Value: E. South America Standard Time


Pronto, agora sua aplicação está utilizando o horário oficial da América do Sul.

Lista de Zonas que funcionam no Windows (Linux é diferente):

[


“Dateline Standard Time”,


“UTC-11”,


“Aleutian Standard Time”,


“Hawaiian Standard Time”,


“Marquesas Standard Time”,


“Alaskan Standard Time”,


“UTC-09”,


“Pacific Standard Time (Mexico)”,


“UTC-08”,


“Pacific Standard Time”,


“US Mountain Standard Time”,


“Mountain Standard Time (Mexico)”,


“Mountain Standard Time”,


“Central America Standard Time”,


“Central Standard Time”,


“Easter Island Standard Time”,


“Central Standard Time (Mexico)”,


“Canada Central Standard Time”,


“SA Pacific Standard Time”,


“Eastern Standard Time (Mexico)”,


“Eastern Standard Time”,


“Haiti Standard Time”,


“Cuba Standard Time”,


“US Eastern Standard Time”,


“Turks And Caicos Standard Time”,


“Paraguay Standard Time”,


“Atlantic Standard Time”,


“Venezuela Standard Time”,


“Central Brazilian Standard Time”,


“SA Western Standard Time”,


“Pacific SA Standard Time”,


“Newfoundland Standard Time”,


“Tocantins Standard Time”,


“E. South America Standard Time”,


“SA Eastern Standard Time”,


“Argentina Standard Time”,


“Greenland Standard Time”,


“Montevideo Standard Time”,


“Magallanes Standard Time”,


“Saint Pierre Standard Time”,


“Bahia Standard Time”,


“UTC-02”,


“Mid-Atlantic Standard Time”,


“Azores Standard Time”,


“Cape Verde Standard Time”,


“UTC”,


“Morocco Standard Time”,


“GMT Standard Time”,


“Greenwich Standard Time”,


“W. Europe Standard Time”,


“Central Europe Standard Time”,


“Romance Standard Time”,


“Central European Standard Time”,


“W. Central Africa Standard Time”,


“Jordan Standard Time”,


“GTB Standard Time”,


“Middle East Standard Time”,


“Egypt Standard Time”,


“E. Europe Standard Time”,


“Syria Standard Time”,


“West Bank Standard Time”,


“South Africa Standard Time”,


“FLE Standard Time”,


“Israel Standard Time”,


“Kaliningrad Standard Time”,


“Sudan Standard Time”,


“Libya Standard Time”,


“Namibia Standard Time”,


“Arabic Standard Time”,


“Turkey Standard Time”,


“Arab Standard Time”,


“Belarus Standard Time”,


“Russian Standard Time”,


“E. Africa Standard Time”,


“Iran Standard Time”,


“Arabian Standard Time”,


“Astrakhan Standard Time”,


“Azerbaijan Standard Time”,


“Russia Time Zone 3”,


“Mauritius Standard Time”,


“Saratov Standard Time”,


“Georgian Standard Time”,


“Caucasus Standard Time”,


“Afghanistan Standard Time”,


“West Asia Standard Time”,


“Ekaterinburg Standard Time”,


“Pakistan Standard Time”,


“India Standard Time”,


“Sri Lanka Standard Time”,


“Nepal Standard Time”,


“Central Asia Standard Time”,


“Bangladesh Standard Time”,


“Omsk Standard Time”,


“Myanmar Standard Time”,


“SE Asia Standard Time”,


“Altai Standard Time”,


“W. Mongolia Standard Time”,


“North Asia Standard Time”,


“N. Central Asia Standard Time”,


“Tomsk Standard Time”,


“China Standard Time”,


“North Asia East Standard Time”,


“Singapore Standard Time”,


“W. Australia Standard Time”,


“Taipei Standard Time”,


“Ulaanbaatar Standard Time”,


“North Korea Standard Time”,


“Aus Central W. Standard Time”,


“Transbaikal Standard Time”,


“Tokyo Standard Time”,


“Korea Standard Time”,


“Yakutsk Standard Time”,


“Cen. Australia Standard Time”,


“AUS Central Standard Time”,


“E. Australia Standard Time”,


“AUS Eastern Standard Time”,


“West Pacific Standard Time”,


“Tasmania Standard Time”,


“Vladivostok Standard Time”,


“Lord Howe Standard Time”,


“Bougainville Standard Time”,


“Russia Time Zone 10”,


“Magadan Standard Time”,


“Norfolk Standard Time”,


“Sakhalin Standard Time”,


“Central Pacific Standard Time”,


“Russia Time Zone 11”,


“New Zealand Standard Time”,


“UTC+12”,


“Fiji Standard Time”,


“Kamchatka Standard Time”,


“Chatham Islands Standard Time”,


“UTC+13”,


“Tonga Standard Time”,


“Samoa Standard Time”,


“Line Islands Standard Time”

]

E, não menos importante, vale lembro que, ainda, não tem como configurar o fuso horário do Azure SQL Database (Paas). Ou seja, as colunas de data serão armazenadas com UTC (GMT +0). Então, você precisa tratar isso na aplicação.

Abraço!

Advertisements

Entendendo o Alternate Access Mapping (AAM) do SharePoint 2010 de forma simples

November 17, 2010 Leave a comment

Autor:

Thiago Silva

Publicação:

17/Nov/10

Overview

O Alternate Access Mapping (AAM) direcionam usuários URLs durante sua interação com o SharePoint. AAM permite mapear solicitações Web para o endereço correto de aplicações Web e sites, e permite servir a URL correta de volta para o usuário.

Em outras palavras, podemos fazer com que a URL http://MinhaURLdoSharePoint, seja direcionada para URL verdadeira do meu ambiente, como http://notebook01 (nome da minha máquina).

NOTA: Neste artigo vou mostrar como podemos ver isso na prática, usando um ambiente de desenvolvimento. Por ser um ambiente de desenvolvimento, vou utilizar os arquivo “hosts” para mapear nosso endereço. Em um ambiente real, esse mapeamento deve ser feito em um servidor DNS.

Solução

Para essa solução vou trabalhar com os seguintes produtos e tecnologias:

· Windows 7 Enterprise;

· Microsoft SharePoint 2010 Server Enterprise;

· SQL Server 2008 Enterprise;

1. Mapeando o endereço IP do nosso servidor SharePoint, no arquivo “hosts”.

1.1. Clique em Iniciar, e depois em Executar. Ou, se preferir, use a tecla de atalho “Windows + R”.

1.2. Insira o endereço “%SystemDrive%\Windows\System32\drivers\etc” e clique Ok.

image

1.3. Clique com o botão direito no arquivo “hosts”, e clique em Open.

1.4. Abra o arquivo com o Notepad (Bloco de Notas).

image

1.5. Insira uma linha no fim do documento, similar a esta da imagem. O IP é o da minha própria máquina (127.0.0.1) que contém o SharePoint, você deve adequar para o seu ambiente. E o endereço (MinhaURLdoSharePoint), é o endereço que eu quero acessar o meu SharePoint meu Internet Explorer.

image

1.6. Pronto, salve o arquivo e vamos testar se o endereço está funcionando. Abra o prompt de comando e dê um ping no endereço que acabamos de mapear.

image

Funcionando. Agora, vamos criar o mapeamento no SharePoint.

2. Acessando a Central Administration do SharePoint e criando um AAM.

2.1. Na Central Administration, clique em Application Management.

2.2. Clique em Configure alternate access mappings.

image

2.3. Clique em Add Internal URLs.

image

2.4. Insira o endereço que você mapeou no arquivo “hosts”. No meu caso: http://MinhaURLdoSharePoint. Escolha a zona de autenticação desejada para o mapeando e certifique-se de que está utilizando a Collection correta. Depois, clique Save.

image

image

Pronto, configuramos o AAM para este endereço. Vamos acessar nosso SharePoint, abra o Internet Explorer e digite a sua URL: http://MinhaURLdoSharePoint.

image

Caso encontre dificuldades para acessar seu SharePoint com o novo endereço, veja este post: https://thiagottss.wordpress.com/2010/11/17/sharepoint-pede-autenticao-mas-no-faz-logon-pgina-em-branco-http-401-1-unauthorized-logon-failed/.

Conclusão

O AAM tem outras finalidades, como por exemplo, para ambientes com Network Load Balance (NLB). A ideia deste artigo foi, de forma simples, mostrar como podemos utilizar o AAM para mapear endereços para os usuários finais.

Informações adicionais sobre AAM:

http://blogs.msdn.com/b/sharepoint/archive/2007/03/06/what-every-sharepoint-administrator-needs-to-know-about-alternate-access-mappings-part-1.aspx – What every SharePoint administrator needs to know about Alternate Access Mappings (Part 1 of 3)

http://technet.microsoft.com/en-us/library/cc288609(office.12).aspx – Plan alternate access mappings (Windows SharePoint Services)

Iniciando os serviços de Pesquisa do Windows SharePoint Services 3.0

September 2, 2009 Leave a comment

Overview

Neste artigo vamos explicar um pouco sobre o serviço de pesquisa presente no Windows SharePoint Services 3.0 e demonstrar como iniciar o serviço de pesquisa no site desejado.

O serviço de pesquisa do Windows SharePoint Services 3.0 melhorou muito em relação a sua versão anterior, agora ele usa a mesma engine que é utilizada no MOSS 2007 e não depende tanto de funções de pesquisa do SQL Server.

Um fato importante para se tomar nota, o serviço de pesquisa do WSS atende apenas um único conjunto de sites, ou seja, se você tiver diversos conjuntos de sites, cada um terá a sua própria pesquisa e não haverá cruzamento das informações. Outro fato, é que apenas podemos fazer busca no site atual e subsites, não sendo possível pesquisar um conteúdo que está em um site nível acima do atual.

Embora utilize a mesma engine de pesquisa do MOSS 2007, ele tem um escopo mais restrito de pesquisa, voltado apenas para pesquisa ao conteúdo do site. Diferente do WSS, a pesquisa do MOSS 2007 pode fazer pesquisas sem servidores de E-mail, servidores de aplicativos, sites da Web e/ou servidores de arquivos.

Informações adicionais sobre cada recurso presente nas edições do WSS e MOSS, assim como as funcionalidades de Search presentes em cada um, acesse: http://office.microsoft.com/en-us/sharepointserver/HA101978031033.aspx (Microsoft Office SharePoint Server 2007 products comparison download).

Solução

Para essa solução vou trabalhar com os seguintes produtos e tecnologias:

· Windows Server 2003 R2 com SP2;

· Windows SharePoint Services 3.0 com SP2;

· SQL Server 2005 com SP2;

A maioria dos recursos de pesquisa são configurados automaticamente durante a instalação do WSS.

Uma fonte de conteúdo (Content Source) é criada automaticamente para todo o conteúdo dos usuários da Web application. Nenhum detalhe de administração é exposto aos administradores do site. Quando é criado um novo site, a URL do site é adicionada aos endereços de início para a fonte de conteúdo.

Uma fonte de conteúdo é criada automaticamente para a Central Administration Web application. Assim garantimos que as informações de administração não serão listadas na pesquisa feita dentro do site.

Rastreamentos completos ocorrem conforme especificado no agendamento de rastreamento, como mostrado no passo 1.8, controlado pelo administrador na página de configuração da Central Administration.

Você deve iniciar o serviço Windows SharePoint Services Search em cada servidor que você deseja pesquisar conteúdo. Você deve iniciá-lo em pelo menos um dos seus servidores. Afinal, depois de instalar o Windows SharePoint Services, este serviço não está ativo.

Vamos aos passos:

1. Iniciar o serviço de pesquisa do Windows SharePoint Services:

1.1. Em Administrative Tools, abra o SharePoint Central Administration;

image

1.2. Na página home da Central Administration, clique em Operations;

1.3. Na página Operations, na seção Topology and Services, clique em Server in farm;

image

1.4. Na página Servers in Farm, clique no servidor em que você deseja iniciar o serviço de pesquisa do Windows SharePoint Services;

image

1.5. Depois de Windows SharePoint Services Search, clique em Start;

image

1.6. Na página de configuração do Windows SharePoint Services Search, na seção Service Account, especifique o usuário e senha no qual o serviço irá rodar;

1.7. Na seção Content Access Account, especifique o usuário e senha para conta que o serviço de busca irá utilizar para buscar o conteúdo no site. Esta conta deve ter acesso de leitura para todo o conteúdo que você quer buscar com o serviço. Se não entrar com credenciais, a mesma conta utilizada para o serviço de busca (especificada no passo anterior) será utilizada;

image

1.8. Na seção Indexing Schedule, aceite as configurações padrões, ou especifique a agenda em que o serviço irá indexar o conteúdo do site;

image

1.9. Depois que você configurou tudo, clique em Start.

image

1.9.1. Se retornar uma página de erro, informando que não foi possível configurar o serviço, como esta abaixo, provavelmente o usuário que você especificou não possui permissões de acesso ao banco de dados de conteúdo. Certifique-se de atribuir às permissões corretas ao usuário que você especificou para que o serviço funcione corretamente.

image

Pronto, neste ponto, configuramos o serviço de pesquisa do Windows SharePoint Services 3.0. Agora precisamos associar o Content Database para utilizar este servidor para buscas. Vamos aos passos:

2. Associando o Content Database com o serviço de pesquisa:

2.1. Na página home da Central Administration, clique em Application Management;

2.2. Na página Application Management, na seção SharePoint Web Application Management, clique em Content Databases;

image

2.3. Na página Manage Content Databases, clique na base de dados de conteúdo em que você deseja associar o serviço de pesquisa do Windows SharePoint Services;

image

2.4. Na página de configurações do Content Database, na seção Search Server, escolha o servidor de pesquisa que você quer associar com este Content Database, e clique em OK;

image

Agora o serviço de buscas do Windows SharePoint Services 3.0 já está ativo e configurado para realizar as buscas de conteúdo no site. De acordo com a agenda de indexação que estabelecemos no passo 1.8, o Windows SharePoint Services irá indexar o conteúdo. Depois do tempo estabelecido, faça os testes de busca.

Aqui vou colocar duas telas de pesquisa, uma feita Antes e outra Depois de configurar o serviço de buscas, percebam que pesquisei o mesmo termo “adicionado”:

image

image

Conclusão

Nesse artigo nós apresentamos como habilitar e configurar o serviço de buscas do Windows SharePoint Services 3.0.

Agora os usuários do site já conseguem utilizar o serviço de buscas no topo à direita do site para buscar conteúdo no site atual e níveis abaixo do site em que se encontra, ressaltando que o serviço não faz buscas em sites acima do atual.